Desabilitar Preloader

Notícias

Últimas Notícias
Receba Novidades

Alzheimer na família - como lidar?

2019-06-20

Entrevista

Nessa entrevista o geriatra e diretor médico do Froien Farain, dr. Davis Taublib, fala sobre como o Alzheimer e outras demências afetam o idoso e as relações familiares.
.
.
As demências da terceira idade – dentre elas, o mal de Alzheimer – são uma das inúmeras questões que as famílias temem enfrentar no processo de envelhecimento de seus entes queridos. Para falar sobre os diferentes estágios dessa doença, suas variações e como elas afetam os idosos e as relações familiares, conversamos com o diretor médico do Froien Farain, o geriatra dr. Davis Taublib.
.
.
FF - O Froien Farain é uma instituição especializada em cuidados com idosos com grave comprometimento físico-cognitivo. Dentre as diversas causas para esse quadro, uma das mais comuns são as demências – dentre elas, o mal de Alzheimer. O que é essa doença e por que ela acontece?
.
Dr. Davis Taublib - Vamos pontuar algumas coisas importantes. Para você ter uma ideia, quando eu me formei, em 1986, a doença de Alzheimer nos compêndios da medicina ocupava apenas um parágrafo no capítulo de doenças neurodegenerativas. Hoje, você tem livros e mais livros sobre o assunto. Isso, na realidade, causa um pouco de confusão, pois o Alzheimer era chamado de demência precoce, pois o primeiro caso que foi descrito aconteceu com uma senhora de 46 anos, em 1906, por Alois Alzheimer – de onde vem o nome da doença – e o “precoce” foi porque aconteceu antes dos 50 anos. Já nos dias de hoje, a maior parte dos casos acomete pessoas na terceira idade e passa a ser uma doença neurodegenerativa comum, na medida que os anos vão avançando. Só para você ter uma ideia, um em cada quatro idosos com mais de 85 anos vai ter a doença.
.
FF – É um número significativo. Mas será que, nesses casos não seriam confundidos como aquele ‘esquecimento’ comum que atribuímos aos mais velhos? A família não pode achar que, em vez Alzheimer, a pessoa está ficando apenas ‘meio esquecida’? Como diferenciar uma coisa da outra?
.
DT - Boa pergunta. Antigamente era comum as pessoas dizerem “Fulano está ficando gagá”, ou “Sicrano está ‘esclerosado’! Todas essas expressões que eram comuns, já não fazem mais sentido. Avançamos muito o conhecimento e, hoje em dia, damos os nomes certos às coisas, o que, nesse caso, é demência. É importante pontuar que nem toda demência pode ser considerada como doença de Alzheimer, porém, toda doença de Alzheimer é uma demência. Existem outros casos de demência, no entanto, as mais comuns são o Alzheimer e a demência vascular. Na medida em que os anos avançam, o mais comum mesmo é haver a junção das duas, o que chamamos de demência mista.
.
FF - Existe alguma diferença determinante entre elas?
.
DT - A diferença básica entre as duas é a seguinte; o Alzheimer é uma doença do cérebro, em que ele atrofia, começando especificamente em algumas regiões que, depois, se espalha. Já na demência vascular, o que acontece são ‘lacunas’ que existem dentro do cérebro, que aparece nas imagens de ressonâncias magnéticas como um ‘queijo suíço’: essas lacunas são lesões isquêmicas antigas. Além disso, o volume do cérebro de uma pessoa com demência vascular é normal, porém, essas lacunas podem causar inúmeras disfunções dependendo da quantidade, volume e localização delas.
.
FF – E existem causas determinadas para essas demências?
.
DT - Não, a causa da doença de Alzheimer a gente ainda não tem. Mas temos uma boa notícia: as demências em geral estão diminuindo. Por que? Apesar do Alzheimer ainda ser o tipo mais comum de demência em idosos, o segundo tipo mais recorrente nos idosos é a demência vascular, e ela vem diminuindo. Isso se dá pelo impacto no avanço da medicina nos últimos vinte anos no tratamento de diabetes, colesterol e hipertensão arterial associada à diminuição do tabagismo e do aumento da prática de exercícios físicos. Todas essas mudanças estão começando a mostrar resultados naquelas pessoas que tinham 50 ou 60 anos há vinte anos atrás. Elas estão envelhecendo de forma mais saudável e, por isso, já sentem na pele o impacto positivo da mudança da medicina no tratamento dessas doenças.
.
FF – Então a medicina está conseguindo diminuir as demências vasculares – que podem se desdobrar em efeitos semelhantes ao Alzheimer, porém, a doença de Alzheimer em si ainda não tem suas causas conhecidas e continuam atingindo 25% da população com mais de 85 anos, correto?
.
DT – Exato. As probabilidades é que teremos cada vez menos demências vasculares e cada vez mais incidência das demências do tipo Alzheimer.
.
FF – E como é possível identificar que alguém está com a doença?
.
DT - Eu costumo dizer no consultório que, as chances de Alzheimer aumentam quando, na consulta, o paciente vem acompanhado de um familiar e diz: “olha, eu só estou aqui porque ele ou ela insistiu para eu vir”. Ou seja, é comum que a pessoa que está demenciando, muitas vezes, não tenha noção do que está acontecendo. Quem percebe são as pessoas que convivem com ela, como um familiar, um amigo ou colega de trabalho. As pessoas próximas começam a perceber que a pessoa está mais esquecida, repetitiva, deprimida, ansiosa ou agressiva que o normal. Basicamente, você tem dois grupos de manifestações da doença: um é do escopo cognitivo mesmo, ou seja, o esquecimento. Mas é importante não atribuir as manifestações apenas ao esquecimento pois a pessoa sofre uma progressiva perda da capacidade de gerenciar a própria vida. Ela começa a esquecer de pagar as contas, já não cuida bem da casa, dos animais ou da família.
.
FF – Então é possível perceber essas mudanças também nos traços de comportamento?
.
DT - Exatamente. Não gerenciar tão bem a própria vida muitas vezes fica mais perceptível para quem está próximo do que pelo paciente – e o esquecimento faz parte disso. Já o que chamamos de sintomas comportamentais é outra coisa: os mais comuns são depressão e ansiedade. E é importante observar que a depressão pode ser o primeiro sintoma da doença, porém, pacientes deprimidos, principalmente idosos deprimidos, também podem apresentar problemas de memória por conta da depressão, e não por causa do Alzheimer.
.
FF – Como, então, diferenciar uma coisa da outra?
.
DT - Muitas vezes é complicado e apenas o tempo vai dizer se o diagnóstico é somente depressão ou se essa depressão faz parte do processo da demência. Porém, é sempre importante nos casos de depressão em idosos que a família e as pessoas próximas estejam alertas e saibam que essa pode ser a primeira manifestação de demência.
.
FF – Qual é o cenário mais comum no processo diagnóstico dessa depressão no idoso? A busca de um psiquiatra ou um psicólogo?
.
DT - Nem sempre. Geralmente, a primeira abordagem é feita por um Clínico. Temos que considerar que, principalmente entre os mais idosos, ainda existe um preconceito muito grande em procurar um psiquiatra. O que acontece é que esse idoso normalmente tem um médico de confiança com quem ele fica mais à vontade. São casos em que você nota que a pessoa vem sozinha e evita, inclusive, trazer alguém da família porque não quer que saibam que ele ou ela está num estado depressivo.
.
FF - E existem outros sintomas comportamentais, além da depressão?
.
DT – Sim. Eu costumo dizer que “o leão vira gato e o gato vira leão”. Uma pessoa muito tranquila, de repente, fica agressiva ou uma pessoa muito agressiva, de repente, fica muito tranquila. É importante ficar atento às mudanças bruscas.
.
FF - E é possível tratar os sintomas do Alzheimer?
.
DT – Sim, mas a parte mais difícil do tratamento são, justamente, os sintomas comportamentais. Porque a memória não tem muito o que se fazer para evitar a deterioração e, cada vez mais, outras pessoas vão assumindo as funções da vida da pessoa. No entanto, tratar os sintomas comportamentais é muito mais complicado, porque não há medicação para tudo. Por exemplo, uma agitação. Nem toda agitação precisa ser medicada mas, no momento em que a pessoa não toma um remédio, como é que você vai explicar para um vizinho que o paciente fica andando a noite toda ou não para de falar?
.
FF – Sem dúvida um cenário super desafiador para os familiares. Como uma família deve proceder no processo de acompanhamento desse idoso, por exemplo, no caso de alguém já diagnosticado, porém com manifestações de consciência e ainda funcional, que esteja sendo tratado em casa?
.
DT - É complicado mesmo. Eu costumo dizer que nem todo paciente com demência tem como situação ideal permanecer em casa. Vai depender o que é essa casa, se é uma família bem estruturada, se é um paciente que tem condições financeiras de manter uma equipe multidisciplinar para cuidar dele com fisioterapia, com fonoaudiologia, médico, nutricionista e tudo que necessário para o bem-estar dessa pessoa. Outro ponto que é preciso avaliar é se, mesmo tendo condições de montar uma estrutura em casa, a pessoa vai ter as condições sociais e afetivas para estar ali. Nem sempre o paciente mora sozinho e hoje temos cada vez mais famílias intergeracionais, com três gerações convivendo na mesma casa. Então, ficar em casa com a família não é, necessariamente, o melhor para o paciente. Essa é uma decisão que precisa ser individualizada.
.
FF – Conforme a doença vai progredindo, as necessidades do paciente vão aumentando e é necessário um aparato mais robusto?
.
DT – Isso é realmente uma questão complexa e, insisto, cada caso deve ser individualizado. No entanto, eu estou convencido que, nas fases mais avançadas, o ideal para o paciente é a institucionalização. Minha experiência mostra que muitos dos sintomas comportamentais melhoram nos pacientes institucionalizados. Isso acontece porque a tendência de quem possui Alzheimer em fases mais avançadas é ficar isolado em casa. Ele já não interage com ninguém, não sai para tomar sol e não gasta energia com com atividade nenhuma. Acaba atrofiando ainda mais rápido, tanto física quanto mentalmente. Ou seja, nas fases iniciais da doença, é importante sempre individualizar cada caso, porém, nas fases mais avançadas, sou favorável à institucionalização.
.
FF – O senhor considera então que uma instituição especializada pode oferecer ao paciente uma estrutura multidisciplinar, além de atividades que estimulam sua parte social, física e cognitiva. Ao contrário do senso comum, isso reduziria o processo de isolamento e contribuiria para a melhoria da qualidade de vida da pessoas que sofrem com Alzheimer em suas fases mais avançadas. Mas imagino que exista uma resistência em algumas famílias nesse processo de decisão, afinal, não deve ser fácil lidar com a culpa de sentir que está deixando uma pessoa querida ‘para trás’. Como lidar com esses sentimentos?
.
DT – É verdade. Existe muita coisa envolvida no processo de institucionalização. Mas, quando você fala família, essa também tem que ser uma questão individualizada, afinal, existem famílias funcionais e famílias disfuncionais. Nas famílias funcionais é possível ter uma boa abordagem e há uma interação positiva e saudável dos membros da família em relação ao caso. Porém, o que é mais comum, é a disfuncionalidade familiar, que se traduz em conflitos de visões e até conflitos de interesses em relação ao paciente. Então, insisto, cada caso precisa ser individualizado e o profissional precisa saber navegar em cada família, de acordo com a realidade de cada uma e das suas relações entre os membros e com o paciente. O importante é que todos tomem as decisões mais racionais possíveis, visando o bem estar físico e emocional do paciente, informando-se sobre as complexas necessidades dos cuidados de uma pessoa com Alzheimer em casa e desmistificando a opção da institucionalização, sem culpa.